Ocean Lava Azores Triathlon

    Sabe sempre tão bem ir a casa fazer o que mais gosto. Sabe tão bem ter o apoio da família e amigos bem de perto. Até mesmo ver que os atletas “continentais” se apaixonam pela minha ilha dá-me um gosto especial. E sabe tão bem poder retribuir todo o apoio com um bom resultado e exibição!

    No ano passado, não consegui ter a força física e (sobretudo) mental para chegar a Ponta Delgada em boa forma, apesar de lá chegar como vencedor da edição de 2015. A desilusão sentida serviu como tónico para um ano 2017 em cheio! Desta vez, voltei à minha cidade em grande forma e com uma motivação enorme!

    Os percursos de natação e corrida foram idênticos aos das edições anteriores, no entanto, este ano o ciclismo desenrolou-se praticamente todo em redor do concelho de Ponta Delgada, num trajecto exigente, bonito e que eu conhecia muito (mas muito) bem. Como tal, uma aposta forte nesse troço seria fundamental para um bom desempenho.

    Confiante no meu nado para sair no grupo da frente, o plano seria logo ali ganhar tempo importante para a maioria dos atletas de referência. Minimizar as perdas no ciclismo, consciente da valia de alguns neste segmento, de modo a ter uma margem confortável para quem viria atrás. Correr ao ataque para não ser ultrapassado e também para me permitir discutir a vitória.

Uma natação normalmente bastante rápida, mas que nesse Domingo foi condicionada por um forte vento que se fez sentir nessa altura da prova (felizmente não fez mossa no ciclismo, aumentando novamente de intensidade durante a corrida). Estive bem integrado no grupo da frente até à primeira boia, altura em que as diferenças começaram realmente a notar-se. Acabei por seguir isolado na 3ª posição, mantendo-me uns metros atrás dos dois primeiros, durante o percurso restante.

Após uma transição (talvez demasiado) calma, que me permitiu recuperar algum fôlego, saio para o ciclismo e logo me isolo na 2ª posição. Conhecendo bem a zona, sabia à partida onde teria que gerir e onde poderia apostar. Por duas ou três vezes ouvi o tempo de atraso para o 1º e que a diferença estava a aumentar muito… já para trás, não sabia nada. Tinha que continuar a arriscar de acordo com o plano traçado. Acabou por ser um segmento sem percalços, à volta de paisagens deslumbrantes, com o pequeno senão da estrada não estar fechada ao trânsito, apesar de todos os cuidados das autoridades e dos voluntários. Este ponto, a ser melhorado, traria benefícios à prova!

Nos últimos quilómetros, começou a chover e entrei no parque de transição tão vesgo que até tive dificuldade em encontrar o lugar com as minhas coisas! Óculos de sol, chuva, dioptrias e pouco oxigénio… Lá comecei a correr e bem, a meu ver. No entanto, nessa altura tinha cerca de 10 minutos de atraso, por isso sabia que seria muito improvável recuperar tanto tempo em 21 km e, de facto, após a primeira de quatro voltas apenas tinha reduzido a diferença em 1 minuto e pouco. Faço os 10 km iniciais na casa dos 38 minutos (baixos), mas já me sentia a quebrar e tecnicamente descuidado. A dada altura estou a sofrer e apercebo-me que já passei por isto tanta vez que se tornou natural! Consegui manter o 2º posto com uma almofada confortável nas últimas voltas, apesar de estar a perder terreno. Cortei a meta com a sensação de dever cumprido e redimido da prestação de 2016. Ficou só a faltar a cereja no topo do bolo…

Tempos e classificações

1900 m natação: 25’59’’ (3º);
T1: 1’17”;
86.6 km ciclismo: 2h30’47” (7º);
T2: 57’’ (3º);
21,1 km corrida: 1h23’23” (5º);
Total: 4h22’23” (2º por equipas e 2º na Geral em 78 atletas à partida, e prémio de melhor Açoriano).

Com isto, fechei a época e está na hora de um merecido descanso. Um ano bem mais selectivo a nível de competições, por opção ou devido a uma ligeira lesão nos tendões de Aquiles, que me fustigou entre os meses de Maio e Junho. Um ano onde os pontos altos foram, sem dúvida, as provas em Setúbal, Cascais e Ponta Delgada, deixando-me motivado para o exigente e desafiante 2018 já planeado! Novos desafios me esperam!

É certo que nem sempre é fácil conciliar tudo e nem sempre há meios para investir naquilo que penso merecer. Certamente me ajudariam a nível de treino, recuperação e competição. Mas continuo a correr por gosto e sem intenções que isso mude! Vou aproveitar estes dias para “recuperar baterias”, dar todo o descanso que o corpo e a mente necessitam e recomeçar de forma gradual, de modo a dar muita luta no próximo ano!!! Até breve!

Anúncios

Ironman 70.3 Cascais Portugal

    Primeira prova com a chancela Ironman realizada em Portugal e eu pude estar lá a participar! Também para mim foi uma estreia em provas desta dimensão e, como tal, toda a envolvente foi inédita e muito motivante para mim. Se já me surpreendi nos Halfs com 400 atletas, este com 2200 deu para me fazer perceber um pouco da realidade e do sucesso da modalidade a nível global.

    Após o resultado e o azar em Setúbal, tracei com o Coach um objectivo bastante ambicioso para Cascais: lutar pelo Age Group e fazer uma “gracinha” à Geral. No entanto, uma lesão comprometeu a minha preparação nos meses de Maio e Junho, não podendo marcar presença em algumas provas importantes nessa altura. Foi possível retomar a 100% e ainda treinar forte e bem durante umas semanas, chegando ao dia da prova bem preparado fisicamente, mas mais tranquilo em relação a resultados.

    A partida é extraordinária! Tanto para os participantes como para os espectadores. Hino nacional cantando com o nascer do sol, colunas a projectar o som do batimento cardíaco nos momentos que antecederam as largadas dos PRO’s e dos Age Groups , bem como o próprio tiro de partida feito com um canhão de guerra (a vulgarizar as tradicionais pistolas) são factores que motivam qualquer um! Por sermos muitos, foi usado o sistema de rolling start, onde partem alguns atletas de cada vez e consegui estar na linha da frente para evitar confusões.

    Desde cedo senti que não conseguia soltar a braçada e integrei um pequeno grupo apenas superado por dois triatletas. Não me senti capaz de fazer a ponte para a frente e por isso segui nesse grupo relativamente tranquilo. Sem mais a acrescentar, saí da água com o 8º melhor tempo e pronto para fazer a transição para o ciclismo.

Aqui estava outra novidade. Com um parque de transição grande o suficiente para todos lá cabermos, acabei por perder mais tempo do que eu estava habituado entre correr até aos sacos, trocar de equipamento e pegar/largar material.

Início da pedalada de forma controlada e a tentar perceber como reagiam as pernas. Apesar de estar a rolar bem, estive praticamente o tempo todo com elas presas e desconfortáveis. Também experienciei pela primeira vez andar num pack (de forma legal!!) e gerir as distâncias com vários atletas, que felizmente correu da melhor forma. Finalizei os 90,1 km com uma média de praticamente 37 km/h (36º melhor parcial), o que analisando agora até pode parecer um desempenho um pouco à quem do possível e exigido…

Sigo finalmente para a meia maratona, com o plano habitual (não tenho que contar tudo aqui eheheh). Comecei com boas sensações e a controlar o ritmo, algo que se tornou uma tarefa difícil nas zonas onde o público se condensava e puxava por nós, fossem eles amigos, “tugas” no geral e até estrangeiros! A meio da corrida sinto que estou num ritmo certo, mas que as “pilhas” poderiam gastar-se a qualquer momento. Senti alguma quebra na segunda metade e nos últimos quilómetros já estava na chamada “reserva”.

Sendo a partida em formato rolling start, por desconhecer eventuais adversários e por haver imensa gente no percurso, não pude controlar a minha classificação. Fiz a reta da meta (e que reta fantástica!) tranquilo e feliz por ter corrido tudo bem. Mais tarde soube que fiz 12º da Geral e 4º do escalão, o que tendo em conta as condições é um resultado muito bom, mas ficou a faltar a cereja no topo… Por estar fora do pódio, não fiquei para a cerimónia, mas soube que me anunciaram como qualificado para o Mundial de Ironman 70.3, slot que já tinha decidido recusar este ano, com muita pena minha, por não ter orçamento para tal.

Nota: O certificado conta com a classificação das estafetas, daí passar para 13º; Os ritmos médios correctos: 1’22”/100m natação, 36,96 km/h ciclismo e 3’57”/km corrida (16º parcial). Resultado aqui !

No fim fica uma sensação de dever cumprido. Diverti-me imenso, achando óptima a experiência e a envolvente. Sem dúvida que competições deste “calibre” são para repetir! Pesa na carteira, mas é-se recompensado pela qualidade, pelo espírito. Vou aproveitar a motivação para continuar “certinho” até ás próximas competições: Contra –relógio colectivo da Figueira da Foz e Triatlo Longo de Ponta Delgada / Ocean Lava Azores Triathlon!

Setúbal Triathlon: Arranque de 2017!

    O Triatlo Longo de Setúbal era o primeiro grande objectivo da época 2017. Após um início bastante conturbado, apenas a partir de fevereiro pude treinar de forma consistente. Apesar de desde então seguir o plano de treino à risca, não perspectivava um óptimo desempenho num triatlo dessa distância nos primeiros dias de Abril. Participei nos duatlos de Arronches, Rio Maior e no Triatlo de Vila Real de Santo António, com prestações muito, muito fracas. No entanto foram importantes para ganhar mais ritmo, dentro de semanas de alguma carga.

    Nas últimas semanas de Março, a forma e as sensações foram melhorando de tal maneira que comecei a acreditar numa boa performance em Setúbal. Os treinos deixavam-me muito confiante num resultado de destaque e isso não se alterou até ao dia da prova.

    Tiro de partida dado e cedo consigo fugir da confusão, encaixando num pequeno grupo que liderou o segmento. Já durante a última de duas voltas, acabei por assumir a liderança do grupo, de modo a que o ritmo não baixasse. Apesar de ser o segmento mais curto (por larga margem) do Triatlo Longo, ganhar umas dezenas de segundos extra pode ser importante.

    Saí em primeiro da água, a curta distância de vários atletas desse grupo. Fiz uma transição tranquila e cedo me destaquei na 3ª posição no ciclismo. Cerca de 15 km volvidos, já na bela zona da Arrábida, parto a corrente e por sorte não vou ao chão. Tento remendar a situação, mas não encontro os elos de ligação e começo a pensar que seria obrigado a desistir. Apesar de alguma vantagem inicial, vários atletas já me estavam a ultrapassar. Então lembrei-me dos postos de apoio mecânico… corri descalço com a bicicleta pela mão até encontrar um, que por sorte estava muito próximo. Lá, com os elos encontrados e devidamente encaixados, pude retomar a “marcha”. Contas feitas, perdi mais de 11 minutos nisto e ainda algumas das mudanças da bicicleta, visto que a corrente estava mais curta. A frustração era enorme, muita coisa me passou pela cabeça, mas lembrei-me das razões pelas quais corro: gosto disto à brava! Desliguei-me do carácter competitivo da prova (vá, quase…), para mim naquela altura um top 10 ou mesmo 20 estava fora de questão, tinha ficado demasiado para trás, mas queria cruzar a meta dando o meu melhor.

    Os quilómetros foram passando, fui recuperando algumas posições, mas via as principais referências com um avanço muito considerável… nada a fazer. Pouco antes de passar novamente pela Arrábida, tive a indicação que seguia em 23º. Afinal, entrar no lote dos 20 primeiros era possível. Controlei o andamento, já a pensar na corrida.

    Largo a bicicleta, calço os ténis, tomo um gel, um pouco de água e sigo caminho com uma leveza agradável. Essa sensação continuou, por isso decidi forçar o ritmo sem medo. Afinal, os indicadores de treino apontavam para uma corrida relativamente rápida. Aos poucos, comecei a alcançar atletas sem que nenhum me conseguisse acompanhar. Vou tentando incentivar outros, já conhecidos destas andanças, e recebo também muitas palavras motivadoras, que são sempre bem vindas. Não voltei a saber em que posição me encontrava, até que viro para a meta (e que lindo corredor era!) e o speaker a anuncia. Não consegui disfarçar um sorriso, afinal, horas antes, pensava que não entraria no top 20 ou que poderia sequer continuar em prova. Fiquei francamente surpreendido com o 8º lugar!

Tempos e classificações

1900 m natação: 25’47’’ (1º);

90 km ciclismo: 2h49’34’’ (56º);

21,1 km corrida: 1h21’47’’ (6º);

Total: 4h40’12 (8º na Geral em 374 atletas à partida).

    Voltou a não ser o meu dia, embora por razões inesperadas. Como sempre, fica a aprendizagem e o treino realizado até aqui. Agora o objectivo é melhorar a minha natação, o meu ciclismo e a minha corrida, de forma a dar luta, muita luta, no próximo triatlo longo, em Caminha! Fico com grande expectativa de ver onde poderei chegar num dia em que tudo me corra bem. Como isso não aconteceu em Setúbal, terei mais uns tempos para ir treinando e alimentar esse pensamento.

Deixo aqui também os meus parabéns à organização. Percursos e paisagem bonita, boa divulgação da prova e envolvimento com os atletas. Muita gente a assistir e a apoiar! Uma primeira edição muito bem conseguida e que, com certeza, me faz querer lá voltar nos próximos anos.

Até uma próxima!

Triathlon Azores Airlines – 2016 está feito!

    Nunca é fácil fazer o balanço de um ano sem atribuir mais peso aos últimos resultados, pior se estes ficarem há quem do esperado. O Triatlo Portas do Mar (agora Triathlon Azores Airlines) encerrou a minha época desportiva de 2016 com um desempenho menos positivo. Na verdade, as 6 semanas que separaram este e o Triatlo de Cascais foram complicadas… nem sempre consegui estar focado no treino, chegando ao dia de prova com uma forma física inferior à registada na prova anterior. No entanto, ao “jogar” em casa, esperava poder contrariar isso com uma motivação extra e honrar, da melhor forma possível, o triunfo de 2015.

    14907596_1338254112852405_2459833803412171168_nNatação e metade do ciclismo de bom nível, bem colocado na 3ª posição, mas rolando perto dos primeiros e a uma distância considerável de quem vinha atrás. Até que nas últimas 3 voltas dá-se uma quebra (in)esperada e começo a perder tempo rapidamente. Assim que coloquei os pés no chão para correr, notei que ia mais pesado que o normal. O ritmo cedo passou de 3’50’’/km para 4’00”, 4’20’’, chegando até a uns desastrosos 5’/km! Estava a atravessar um autêntico purgatório, mas lá consegui melhorar nos últimos 5 km, após ouvir alguns incentivos e reprimendas!

    Com as contas à Geral arrumadas, felizmente ainda consegui contribuir para o 3º lugar por equipas tanto na etapa como nas contas finais do Campeonato Nacional!

Tempos e classificações14975768_1481250605225382_545048635_o

1900 m natação: 23’24’’ (2º);

T1 + 84 km ciclismo + T2: 2h25’40’’ (9º);

21,6 km corrida: 1h35’13’’ (16º);

Total: 4h25’21 (3º lugar por equipas, 8º na Geral em 52 atletas).

    13346780_10154257719624413_9160882902461227532_nNão é a prova que define a época, mas não consigo estar totalmente satisfeito com este ano. Penso que não tive uma prova à minha medida e em que tudo corresse bem. Esta pausa tem sido óptima para descansar tanto fisica como mentalmente e para reflectir nos vários aspectos bons e menos bons de 2016. Definir objectivos e traçar planos para que a consistência de treino não seja afectada! Posso dizer que já estou ansioso que 2017 chegue!

14433183_1413506365326514_8885018179723977496_nCom tanta reflexão, acaba por vir à memória os grandes momentos que passei. Por equipas, fica a sensação de dever cumprido! 5º, 9º e 3º nos campeonatos nacionais de duatlo, triatlo e triatlo longo, respectivamente. Sem esquecer a vitória na Taça PORTerra, mas para a qual apenas pude contribuir como adepto! Sem dúvida um bom ano para a SFRAA! De registar ainda um 2º lugar no Campeonato Universitário ao serviço do Técnico. A nível individual, uma estafeta, um contra relógio por equipas, quatro triatlos Sprint, dois duatlos, dois triatlos Standard, três triatlos longos… umas provas bem melhores que outras, mas todas na companhia de malta 5 estrelas, proporcionando muitas horas de convívio tanto nas vitórias como nas derrotas. Também alguns treinos ficaram bem fincados na memória, com algumas sensações que me impressionaram verdadeiramente e que as quero repetir em competição já na próxima época.

12963366_1063645150358219_9118449489711458968_n

    Tenho mais um ano de treino e de experiência do que em 2015! É este o balanço que faço de 2016 e o balanço que levo para entrar em 2017 com toda a força! Fiquem bem!

Cascais Triathlon

    25 de Setembro foi dia de Triatlo Longo de Cascais. No ano passado, foi esta prova que me permitiu traçar novos horizontes a curto/médio prazo, devido ao meu surpreendente 9º lugar entre muitos dos melhores atletas nacionais de longa distância e vários estrangeiros de créditos firmados. A possibilidade de “subir mais alguns degraus” e de me aproximar das referências era válida, por isso a minha preparação após o Campeonato da Europa de AG centrou-se na chamada half distance, aquela que até ao momento mais me agrada. Infelizmente, desde Junho que essa preparação não tem sido consistente por vários motivos e, apesar de chegar a meados de Setembro com óptimas sensações, estas não eram suficientes para afastar o receio de não conseguir aguentar o ritmo elevado que a prova exigiria para poder realizar um resultado parecido ao do ano anterior.

14391007_1288797971132838_3569076844891864910_n

    Todo o clima de pré prova, tanto a motivação nos dias anteriores como o ambiente vivido no próprio dia ajudaram a esquecer essas preocupações e a encarar o desafio com alegria.

    (Cerca de) 1900 metros de natação como o costume, sem a confusão das provas mais curtas e feitos a um ritmo forte q.b. para sair nas primeiras posições – em 4º. Apenas um ligeiro problema de navegação que me obrigou a nadar uns metros extra, mas nada de mais.

    Transição tranquila e partida para os 90 km de ciclismo a estudar as sensações: nada más! O percurso de 3 voltas incluía a passagem no Guincho e subida/descida pela Malveira da Serra e por Biscaia, sendo que o vento se fez sentir em grande parte do trajecto. Habituado às “brisas” ciclónicos dos Açores, essa não seria a minha maior preocupação… seria sim a parte de descida mais técnica. Técnica essa que não tenho! No segmento, perdi algumas posições e tempo importante para as primeiras posições.

14462757_1289694094376559_6644380381479741100_n14433094_1414298695247281_1975464191996929369_n

    Após uns quilómetros finais a controlar o andamento, seguiram-se os 21,1 km de corrida que, para meu espanto, foram feitos de forma progressiva quase até ao final, possibilitando a recuperação de 3 posições e cortar a meta na 8ª posição absoluta.

Tempos e classificações14446011_1099148663511002_6692380238663233871_n

~1900 m natação: 23’14’’ (4º);

T1 + 90 km ciclismo + T2: 2h40’23’’ (13º);

21,1 km corrida: 1h21’44’’ (4º);

Total: 4h25’21 (4º lugar por equipas, 8º na Geral e 1º AG 20-24).

    Dadas as condições, o resultado é extremamente positivo e dificilmente poderia esperar melhor. Resta treinar mais e com a devida consistência para subir os tais “degraus” desejados!

14469686_1288426871192251_5000431541519576982_n 14469732_1294997223846246_5380292333797979947_n

    Nota ainda para a conclusão do Campeonato Nacional de C lubes com a etapa de Contra-Relógio por Equipas, realizada dia 1 de Outubro. Uma prova que deu um gozo especial por se realizar em conjunto com os elementos da equipa da SFRAA e onde pude ajudá-los a finalizar o campeonato na 9ª posição! Grande grupo!

IV Triatlo Longo de Caminha

Depois da desilusão no campeonato da Europa AG (apenas com o resultado), Junho serviu para abrandar e “curtir” a modalidade após o grande objectivo dos últimos meses de treino, marcando presença em triatlos muito bonitos e de variados tipos: standard e estafeta super sprint no Sabugal, sprint em Peniche e, por fim, longo em Caminha. Este último é realmente incrível, talvez a mais bonita e dura prova que alguma vez realizei.

   

   Partida em pleno rio Minho, entre Portugal e Espanha, com direito a largada de um ferry, mas apenas efectuada às 10h20 para que nadássemos a favor da corrente. Ora, numa prova de sensivelmente 5 horas, isto implica pedalar e correr durante as horas de maior calor, para além da forte corrente atenuar as diferenças entre os atletas no segmento de natação. Apesar de alguma desorganização na partida, estava bem posicionado e nadei tranquilamente num grupo de 4, apenas superados por um atleta (Pedro Palma). Para se ter uma noção da força da corrente, e caso os 1900 metros estejam bem medidos, nadei ao ritmo de 59’’/100 m.

    13511005_1170626779625659_7306089030222771578_nCiclismo brutal a todos os níveis, em que tínhamos que subir e descer a bela Serra D’Arga duas vezes. Passei os 10 km iniciais em 3º com o 1º classificado à vista, mas acabei por cair para 6º no fim da subida. Após as duas primeiras curvas a descer, perdi de vista o 3º, o 4º e o 5º classificado, o que mostra bem a minha falta de destreza em cima da bike, algo que nesta prova era necessário para estar na frente. Consegui sair de estrada numa curva mais apertada, felizmente sem consequências de maior. Na segunda volta, já estava em clara quebra e restava ver como as pernas se iriam comportar para os 21,1 km de corrida finais.

Ao por os pés no chão percebi que nenhum músculo me estava a prender, no entanto senti-me completamente vazio de força. Corri na “reserva” para conseguir completar a prova, num circuito que incluía zonas de calçada, tábuas de madeira, terra batida e pedras soltas.

    13528697_10154330823109413_4007730876326882562_nTempos e Classificações:
1900 m natação: 18’50” (3º);
T1: 53” (3º);
87 km ciclismo: 2h54’55 (12º);
T2: 1’05” (38º);
21,1 km corrida: 1h31’50” (13º);
Total: 4h47’33” (6º por Equipas, 10º da Geral e 8º Sénior).

    Um lugar no top-10 não é de se deitar fora! Mas o baixar de forma e a falta de treino específico notou-se bem… fica o desejo de repetir a prova em melhores condições. Acho que já “curti” o suficiente e está na altura de voltar a sofrer, concentrar-me em preparar o que aí vem e consolidar os meus resultados na longa distância!

Campeonato Europeu de Age Groups

13335741_483822211788062_2907464645929468405_nO grande objectivo da primeira parte da época. Tudo apontava para um grande resultado, estando até surpreendido com os últimos meses de treino. Às 5h30, ainda sem um único raio de sol à vista, já me encontrava no parque de transição a ultimar os preparativos para começar a prova às 7h15, no parque das nações e MEO Arena, um palco incrível para uma prova de triatlo.

Uma natação de bom nível, num circuito com muitos retornos. Tudo o que fosse abaixo de 19’30’’ era muito positivo e entrei no parque com 19’24’’ (1500 m natação + trajecto de acesso). Aí assustei-me um pouco por sentir alguns músculos das pernas presos, os primeiros quilómetros do ciclismo teriam que ser feitos com relativa calma e a hidratar-me bem.

    13325692_10154258229589413_1599962070144686207_nNo entanto, estava com imensa dificuldade em pedalar, o pulso continuava alto, as pernas continuavam tensas e começava a ser ultrapassado por vários atletas. Sendo a minha primeira experiência a este nível achei que, até certo ponto, seria normal os estrangeiros andarem melhor que eu e que estava a pagar a factura de uma natação forte sem aquecimento prévio dentro de água, de ter acordado às 4h50 ou talvez por ter furado um pneu que entretanto voltaria a fechar graças ao líquido no seu interior…

    Quando fui ultrapassado pelas atletas que começaram a pedalar 5 minutos depois de mim, percebi que aquilo não fazia sentido. Pouco depois parei e comecei a avaliar se algo se passava com a bicicleta. De facto, a roda da frente estava a prender num dos calços de travagem. Resolvido o problema, 6 minutos de atraso eram irrecuperáveis dado o nível dos adversários e a classificação deixou de ser o foco, mas a prova era para acabar dando o melhor de mim, isso era incontornável. A leveza e a facilidade com que pedalei a partir daí…
Perto do fim ainda parei por mais 1 minuto, queria ter a certeza que estava tudo OK. Perdido por cem, perdido por mil.

   Saí com tudo para a corrida, com grandes sensações iniciais. Comecei a quebrar perto dos 5 km (da próxima não pode faltar um gel energético no início do segmento) e penso que, a partir daí, controlei o andamento de forma inconsciente. Ritmo médio a rondar os 3’31’’/km, que poderia ter sido mais baixo!

    Acabei por ser o 13º do escalão 20-24. Uma oportunidade de discutir um lugar num pódio europeu que perdi, mas que me faz acreditar e muito no futuro. Estou na minha melhor forma de sempre! Há tempo para Europeus, Mundiais, Ironmans (de Grupos de Idade)… Assim espero!

    Ambiente incrível nos dias do Campeonato Europeu, público fantástico, uma experiência incrível! Guardarei na memória este evento e levarei a motivação e o treino que ganhei até aqui para a nova fase da época. Venham os triatlos longos!